"In three words I can sum up everything I have learned about life: it goes on."


Wednesday, September 28, 2011

He said I'll love you 'til I die
She told him you'll forget in time
As the years went slowly by
She still preyed upon his mind

He kept her picture on his wall
Went half crazy now and then
He still loved her through it all
Hoping she'd come back again

Kept some letters by his bed
Dated 1962
He had underlined in red
Every single I love you

I went to see him just today
Oh but I didn't see no tears
All dressed up to go away
First time I'd seen him smile in years

He stopped loving her today
They placed a wreath upon his door
And soon they'll carry him away
He stopped loving her today

You know she came to see him one last time
Oh and we all wondered if she would
And it kept running through my mind
This time he's over her for good

Monday, September 19, 2011

Escusa

Quantas vezes desviei o olhar, simulei estar procurando alguém por entre você. Mexi no cabelo, mordi os lábios, tudo porque talvez não pudesse te responder o que eu realmente pensava.

E no teu silêncio sonoro, quantas outras vezes te procurei por escrita digitando e apagando, perdendo tempo ao trocar o ‘você’ por ‘ti’ e o ‘ti’ por ‘você’. Quer dúvida mais idiota?

Me desculpe, mas sinto dizer que estive colocando-o a teste. Quando você pediu ‘fica’ eu quis ir e fiquei só para confirmar que estava certa. E eu estava, deveria mesmo ter ido.

Já deveria ter aprendido a confiar mais na minha desconfiança, mas aí você fica martelando na minha cabeça… E a simples lembrança de vê-lo sorrindo e me tomando nos braços, compromete toda a armadura.
Queria estar coberta de razão quanto a todo o restante e, dessa vez, por uma única vez, estar absolutamente enganada quanto a ‘ti’.

Excesso

Desmedido, compulsivo e insensato.

Acontece que uma hora isso tudo tem de amadurecer. Tá que amar desmedido é uma delícia, mas comedimento e racionalidade fazem muito bem, obrigada. Por entre lençóis sujos, eram muitas as vezes em que eu não entendia a minha permanência teimosa naquela cama vazia. Isso bastou até o momento em que não bastou mais. Você me bastou até me faltar.

Era um sentimento loucamente desenfreado, que fez o quarto ficar pequeno, o apartamento ficar pequeno, os sonhos ficarem pequenos. No fim das contas, foi você quem ficou pequeno demais pra mim. Me escorria amor por entre os dedos enquanto o destinatário tinha a caixa de correio abarrotada por envelopes ainda cerrados.

Amor em demasia, pra uns, é amor demais. Redirecionei. Aluguei um depósito, depois outro e outro. Não pedi nada de volta, deixei contigo as linhas torpes de um amor que não coube mais em cativeiro. Contigo ainda existem envelopes meus que hoje já não significam nada.

Comigo uma estranha sensação de que nada disso realmente aconteceu, uma seringa de anestésico local me mantém consciente de não mais estar sentindo.

Sunday, September 11, 2011

17

Growing older;
Growing wiser;
Smiling more;
But somehow sadder;
Growing older;
Growing sadder;

The older we get;
The better we used to be.

Wednesday, September 07, 2011

"Meu problema é saber demais, é reconhecer cada um dos teus sinais, por mais sutis que sejam ou que você ache que sejam."

Monday, September 05, 2011

My fairy



I have a fairy by my side
Which says I must not sleep,
When once in pain I loudly cried
It said, 'You must not weep.'

If, full of mirth, I smile and grin,
It says, 'You must not laugh';
When once I wished to drink some gin
It said, 'You must not quaff.'

When once a meal I wished to taste
It said, 'You must not bite';
When to the wars I went in haste
It said, 'You must not fight.'

'What may I do?' as length I cried,
Tired of the painful task.
The fairy quietly replied,
And said, 'You must not ask.'

Moral: 'you mustn't.'

Sunday, September 04, 2011

14

“O imprevisto acontece e alguém te encontra. E te reecontra. Te reinventa. Te reencanta. Te recomeça.”

Gabito Nunes