"In three words I can sum up everything I have learned about life: it goes on."


Monday, March 28, 2011

Marlboro red

Tentei me controlar ao máximo, tentei não escrever sobre isso, mas né. Não prometo linearidade de pensamentos muito menos de idiomas.

You broke my heart parece muito brega, quando sóbria, meu-deus. Parei pra pensar e todo aquele drama se desfez quando percebi isso. Parei pra pensar no contexto também, queria realmente conseguir me lembrar como que se chegou no assunto.... queria ter guardado todas as palavras que foram ditas e futuramente substituidas com: não tenho nada a dizer. ÉÉÉÉ.

Lembrei dos strikes, e da época que eu ainda conseguia contá-los e escreve-los com detalhes vivídos , cheiros e saturações. É que de um tempo pra cá eu já perdi as contas de quantas vezes ralei meus joelhos e me levantei colando baid-aid por cima de band-aid wondering when that was going to heal. Well babe, now I know, never.
Além de perder as contas, perdi também as proporções, e todas as outras coisas, sexo fica tão banalizado depois de um tempo...

É que daí ela, não a mesma de antes, ela outra, olhou pra mim e me disse como ela era ruim, mas muito ruim mesmo e exigindo de uma forma até ditadorial a falta de confiança. Só que é uma coisa tão contraditória quando você ouve isso daquele rostinho... Sabe, eu já fui assim, ruim que nem ela, pior na verdade. Tão ruim que chegava a doer. Tão ruim que nunca tive essa decência de avisar que eu era ruim.

I cannot stop asking myself : when did all this shit get SO fucked up?

Mordíveis, bochechas muito mordíveis.

Saturday, March 12, 2011

One by one

And then I felt sad because I realized that once people are broken in certain ways, they can't ever be fixed and this is something nobody tells you when you are young and it never fails to surprise you as you grow older and you see the people in your life break one by one.
You wonder when your turn is going to be, or if it's already happened.

Friday, March 11, 2011

Looking for a drug dealer.

A: O que tu quer?

B: Tudo.

A: Tu não pode ter tudo. Na verdade, tu não quer nada.

B: Ok, eu não quero nada. Eu tenho tudo.

A: Não tem amor.

B: Amor é químico; Aspirina, também.

A: Se fosse químico, tu não tava nessa merda.

B: Se amor não fosse uma merda, eu não precisaria de tanta química.

A: Tu não precisa de química.

B: Preciso do que, então?

A: Precisa amar.

B: Não amo ninguém.

A: Mentira. Só fala de amor.

B: Da falta de amor.

A: Viu? Não é química! Tu precisa.

B: É química. E eu preciso dessa quimíca, então.

A: E porque tu não procura?

B: Porque esse traficante não existe.



dezembro 24, 2010 por foradaminhatv



Tuesday, March 01, 2011

1 pm

E agora que eu passei da fase da negação e da raiva eu comecei a aceitar, meu amor, e o que mais doi é saber que logo logo eu olharei pra você e não sentirei mais nenhuma daquelas coisas que descrevi aqui no texto abaixo. É, acho que azedou mesmo pois essa noite sonhei contigo e com o teu abraço de novo, e quando acordei tudo que consegui sentir foi nojo por saber que tudo que você fala e faz é pra me machucar.

Espero de todo o meu coração que faças ela tão feliz como me fizestes em todos aqueles finais de tarde de verão, mas não desejo só isso, desejo também que o final de vocês - se algum dia vier a acontecer - seja muito doce, ou pelo menos, menos amargo que o nosso.

Ando te vendo por aí, é que meu mundo ainda é tão cheio de ti, que falta um pouco de mim nele. To te escrevendo tudo isso daqui pelo celular, no caminho para o trabalho, é que se eu deixasse para escrever quando chegasse em casa a noite, as lágrimas já teriam me consumido assim como a escuridão e a chuva, então as palavras saíriam ensaiadas e não puras e singelas como estas saíram.

Esse é meu texto de despedida para nós, lindinha. Tudo de maravilhoso para você, sempre. Tudo de bom nessa tua nova vida totalmente vazia de mim.