"In three words I can sum up everything I have learned about life: it goes on."


Thursday, February 24, 2011

Valentin

E doeu menos. Menos do que eu achei que doíria. Não que eu não tenha sentido aquele sufoco, aquela dor muito profunda no íntimo do meu peito, não que eu não tenha chorado, e não que eu não tenha sonhado com o mesmo rosto pelas últimas quatro noites.

Mas foi ameno.

Foi ameno quando comparado a tudo que eu sentia por ti antes.Um amigo meu me disse que nem nós, loucas, nos entendemos. E é verdade. Você me deixa louca de uma maneira ruim, e vice-e-versa.
Nós somos tão imensamente iguais que se você tivesse a mínima noção disso, fugiria.

Oh, wait. You already did it.

Eu achei que tudo aquilo era recíproco, mas talvez não. Talvez você tenha lançado meu próprio veneno contra a mim mesma. Ilusão, doce ilusão. Doce que de doce não tem nada.
Ou talvez era recíproco e você teve a mesma reação que eu normalmente tenho, de fugir. E sabe, alguém sempre precisa lutar, e neste caso por você ser tão igual a mim, nos repelimos para direções opostas, você polar e eu apolar.
Várias palavras com a letra i se encaixam no nosso caso, ilusão, indiferença, intensidade.. Ai, a intensidade.
Tu sempre tão, tão intensa. Tão linda olhando pra mim daquele jeito, tão... inalcançável. É que por trás do teu rosto, sempre vi algo intocável, inatingível. É como se eu sempre te tivesse fragmentada, em pedaços, nunca completa. E é tão assustador isso... se apenas teus pedaços me prendem dessa forma, imagino por inteira.
E eu realmente acho que no futuro, não sei próximo ou distante mas, no futuro, ainda vomitarei meu coração e todo o resto do meu corpo por ti, e você não dará valor. Porque, nós somos assim, não damos valor a quem deveríamos.
E eu não te culpo, sabe. It's so horrible to see your own confusion and understand it.

Sei também que tu vai me perguntar se tudo isso era pra ti, e tu também sabe que eu vou dizer que não. Algumas coisas nunca mudam, sabe como é.